Pular para o conteúdo principal

Oração é diálogo

               Oração é diálogo, pois não se dirige as paredes ou tetos as dores da alma e também não se fala consigo mesmo se investindo da responsabilidade de resolver seus impossíveis. Não se ora por que Deus se enfraquece ao ser esquecido pela humanidade, mas sim porque a humanidade se fragiliza ao se distanciar de sua presença. Não se ora porque Deus se torna menor por não ouvir elogios acerca de sua grandeza, mas porque visualizo minha pequenez diante de muitas circunstâncias. 

Oro  dialogando por saber que existe um Deus que se inclina diante das minhas fragilidades e na autenticidade de quem um dia se identificou com as roupas de um rei nu me prostro diante daquele em que nada está encoberto. 

Dialogo com o choro de quem bate no peito a culpa do cobrador de impostos, 
faço companhia a mulher adúltera e relato as minhas acusações circundado por quem me quer apedrejar,

dialogo com um grito na existência clamando por socorro em tempos de mar bravio e tempestades impetuosas. Faço coro com a voz de Pedro submergindo ao duvidar, mas que mesmo assim não desvanece no afogamento por um descaso divino, pois Aquele que é parte atuante nesse desabafo, atendeu a um homem que disse não acreditar mas que o fizesse vencer sua incredulidade.

Oro não robotizado por repetições, mantras ou jargões, mas na liberdade de quem será ouvido mesmo se as palavras não forem polidas. 

Oro sem cessar, pois existir é se projetar, se arremessar para a vida, e esta foi  vocacionada para ser abundante, pois não prevalece o cheiro de morte por onde passa a brisa da ressurreição.

Dialogo, pois o DEUS CONOSCO não se "enclausurou" na eternidade da distância, mas ansiou a quenosi (esvaziamento) para "dialorarmos" com ele, nele e por ele.

Comentários

  1. Bom dia, Paz seja contigo! Parabens pela postagem e grato por ser um seguidor de nosso ministerio. abraços

    www.prnatanaelsp.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

As profecias Messiânicas

As profecias Messiânicas Tiago Sant'Ana Cezar Introdução Estudaremos nesse primeiro degrau de nossa caminhada, as promessas messiânicas. Como Deus preparou tudo desde o início? E, como a percepção da promessa atravessa não apenas os circuitos judaicos, mas se eleva aos patamares da humanidade. I. Genesis 3.15: E no início de tudo...o anúncio de sua vinda Antes mesmo de existir humanidade ou a palavra escrita tomar forma entre os judeus, Deus se propõe como Salvador. E, aqui vale ressaltar que o anuncio e pré-Abraamico, isto é, o Pai de multidões, que reservaria inicialmente sua caminhada ao perímetro de Canaã, e daria a partir de seu filho Isaque, o menino da promessa e do seu neto Jacó, o enganador que se vestiu de príncipe (Israel), de onde surgiu um pequeno povo de inexpressividade territorial, mas que levaria consigo a alcunha de povo exemplo. Diferentemente do título de povo eleito que carrega aspectos etnocêntricos e xenofóbicos. O que diverge exponencialmente de um D…

Política e politiqueiros